Botafogo Samba Clube vai contar a história do Engenho de Dentro em 2023

Desenvolvido por Marcelo Adnet e Márcio Puluker, o enredo foi anunciado na feijoada da escola neste domingo

Em busca do acesso à Série Ouro, na Sapucaí, a Botafogo Samba Clube apresentou o seu enredo para 2023 na tarde deste domingo, 11. De autoria dos carnavalescos Marcelo Adnet e Márcio Puluker, “Pelos trilhos da história: Engenho de Dentro de lutas, batuques e glórias” vai homenagear o bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio, que abriga a quadra alvinegra e o Estádio Nilton Santos.

A escola do torcedor botafoguense será a segunda a se apresentar pela Série Prata, na Intendente Magalhães, no dia 25 de fevereiro.

Conheça a sinopse

Pelos trilhos da história: Engenho de Dentro de lutas, batuques e glórias

1 – Desce o sol nas planícies douradas da Guanabara. Com o silêncio e a escuridão, o pajé se recolhe e a taba aquieta para mais uma das milhões de noites como todas as outras. Os batuques e rituais, as visões, a cultura de harmonia e respeito à natureza estavam ameaçados. 

O homem branco aportou e nada mais seria como sempre. Trouxeram a cruz, a contagem do tempo, a ganância e o projeto de exploração de uma terra sagrada. 

Os Tupinambás escravizados deixaram de herança os caminhos abertos pelos pés descalços e tantos saberes ancestrais: da pesca às ervas e plantas que compõem, até hoje, a subsistência dos brasileiros.

“Nhamandu ouare nhamaem (Quando vier Deus pai)

reve nhamonhendu mborai”  (Estaremos todos a cantar)

Ressoava o canto de fé dos originários que ainda não foram aprisionados.   

2 – O bárbaro projeto que chamamos de civilização segue com a chegada de mais escravizados, desta vez sequestrados além mar, arrancados do colo de sua própria terra. O temor que habita o olhar de indígenas e africanos se encontra e deságua dentro do mesmo engenho. 

O edifício está de pé, a mão de obra segue farta, Portugal está contente: o engenho produz, com o amargo dissabor das mãos e vidas pretas, o ouro branco que adoça a boca do feitor. 

“Ogum àgò fi rí rí (Ògun nos dê licença)

Ága dé lò wa de a o (Pedimos que saia de seu reino e venha nos encontrar para que possamos vê-lo)

Koró ba ga dá (Lá do alto ele nos ajuda)”

Ressoava o batuque dos pretos fugidos em uma serra perto do engenho, onde a fé se fez alforria.

3 – É 1873 e a pomposa realeza se reúne na gare luxuosa para a inauguração da Estação Engenho de Dentro. O Engenho que nomeia o bairro deu lugar à maior oficina de trens da América Latina. Os indígenas já quase não se viam e os cativos africanos continuam, séculos depois, entre a cruz e o pelourinho, a sustentar o luxo de um pequeno e poderoso grupo. 

Escravizados, estrangeiros e brasileiros se misturam para abrir os caminhos de ferro com suor e sacrifício. Hoje, 150 anos após a inauguração da Estação, o requinte dos vagões se transformou, pois quem os frequenta são os filhos da falsa abolição, a classe trabalhadora. 

Não há mais sinais das cantigas, a Serra dos Pretos Forros deixou quilombos e batuques na memória. O único som é o do trilho dos trens, do ferro e das máquinas, acelerando a suburbanização planejada para estas terras. 

4 – Um senhor na calçada, de chinelo de dedo e cordão de São Jorge no peito, abre o portão de seu jardim para vender latões de cerveja na porta de casa. Em suas veias se misturam cantigas, pontos e preces. Cachorros latindo no quintal parecem anunciar que é dia de jogo no Estádio Olímpico Nilton Santos. A duas quadras dali, o sangue mestiço lota os vagões do trem, pulsando nas veias tantas histórias e gentes. Várias tribos urbanas colorem as praças gingando capoeira, dançando, cantando e festejando, celebrando o milagre da superação.

Entre igrejas e terreiros, prédios e barracos, botecos e ambulantes, as fachadas dos casarões coloniais nos lembram quem, de fato, construiu esse lugar. Virando a esquina pelas calçadas machucadas pelo tempo, um tambor ressoa e relembra a ancestralidade que paira nessas esquinas. A estrela em fundo preto infinito, que apontava a chegada das manhãs, hoje guia o otimismo deste novo orgulho do bairro, de gente que conhece a origem deste chão sobre o qual giram suas baianas. De portas abertas, a Botafogo Samba Clube se enche da força daqueles que construíram este lugar e adapta os versos de Jorge:

“Engenho de Dentro

Quem não sambar agora

Só no próximo ano

em pleno centro”

Assim ressoa o canto de fé dessa gente que acredita que os trilhos da história nos levam à Sapucaí.

Texto e pesquisa: Marcelo Adnet
Carnavalescos: Marcelo Adnet e Márcio Puluker

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s