Portela na Cidade do Samba

A águia sobrevoou a cidade do Samba na noite de desfiles do pré carnaval do evento Rio Carnaval 2022. A Portela pintou de Azul e branco o chão da avenida, muito animada a escola de madureira desfilou com a torcida cantando forte o seu hino oficial.

No carro de som o talentoso intérprete Gilsinho acompanhado da cantora Pipa Brasey deram o tom ao samba que encantou a avenida na cidade do Samba.

Lucinha nobre e Marlon lamar caíram nas graças do público, o casal de MS é PB ao passar pela avenida receberam o carinho dos presentes e agradeceram saudando a todos.

Com o enredo “Igi Osé Baobá” criado por Renato Lage e Márcia Lage, que fala sobre a árvore da vida, as gigantescas árvores da África, sua importância , todo o contexto historico de ancestralidade.

A musa Alice Alves esbanjou alegria, vestida num macacão azul desenhado por um artista de SP e executado pelo ateliê styllus, a médica veterinaria desfila na agremiaçao a mas de duas decadas mostrando muito samba no pé.

Ficha técnica

Fundação


11/04/1923
CoresAzul e Branco
Presidente de HonraMonarco
PresidenteLuis Carlos Magalhães
QuadraRua Clara Nunes, 81 – Madureira – Rio de Janeiro – RJ CEP 21351-110
Telefone Quadra(21) 3217-1604 e (21) 3256-9411
BarracãoCidade do Samba (Barracão nº 06) – Rua Rivadávia Correa, nº 60 – Gamboa – CEP: 20.220-290
Telefone Barracão(21) 2233-2284
Sitewww.gresportela.com.br
Enredo 2022“Igi Osè Baobá”
CarnavalescosRenato Lage e Márcia Lage
Direção de CarnavalClaudinho Portela, Júnior Escafura e Higor Machado
IntérpreteGilsinho
Mestre de BateriaNilo Sérgio
Rainha de BateriaBianca Monteiro
Mestre-Sala e Porta-BandeiraMarlon Lamar e Lucinha Nobre
Comissão de FrenteLeo Senna e Kelly Siqueira

Letra

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Prepara o terreiro, separa a mucua
Apaoká baixou no xirê
Em nosso celeiro a gente cultua
Do mesmo preceito e saber

Raiz imponente da primeira semente
Nós temos muito em comum
O elo sagrado de Ayê e Orum
Casa pra se respeitar, meu baobá

Ôbatalá, colofé
Tem batucada no arê
Pra minha gente de fé, ayeraye
Nessa mironga tem mão de ofá
Põe aluá no coité e dandá

Ôbatalá, colofé
Tem batucada no arê
Pra minha gente de fé, ayeraye
Nessa mironga tem mão de ofá
Põe aluá no coité e dandá

Saluba, Mamãe!
Fiz do meu samba curimba
Mata a minha sede de axé
Faz, do meu Igi Osè, moringa

Quem tenta acorrentar um sentimento
Esquece que ser livre é fundamento
Matiz suburbano, herança de preto
Coragem no medo

Meu povo é resistência feito um nó
Na madeira do cajado de Oxalá
Força africana, vem nos orgulhar

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Prepara o terreiro, separa a mucua
Apaoká baixou no xirê
Em nosso celeiro a gente cultua
Do mesmo preceito e saber

Raiz imponente da primeira semente
Nós temos muito em comum
O elo sagrado de Ayê e Orum
Casa pra se respeitar, meu baobá

Ôbatalá, colofé
Tem batucada no arê
Pra minha gente de fé, ayeraye
Nessa mironga tem mão de ofá
Põe aluá no coité e dandá

Ôbatalá, colofé
Tem batucada no arê
Pra minha gente de fé, ayeraye
Nessa mironga tem mão de ofá
Põe aluá no coité e dandá

Saluba, Mamãe!
Fiz do meu samba curimba
Mata a minha sede de axé
Faz, do meu Igi Osè, moringa

Quem tenta acorrentar um sentimento
Esquece que ser livre é fundamento
Matiz suburbano, herança de preto
Coragem no medo

Meu povo é resistência feito um nó
Na madeira do cajado de Oxalá
Força africana, vem nos orgulhar

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Azul e banto, aguerê e alujá
Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor
Ilu ayê na ginga do meu lugar
Portela é baobá no congá do meu amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s